12_FIG_TOPO

As nossas vidas são teias de experiências relacionais possíveis permeadas por escolhas pessoais, conjugais, profissionais e, também, por nossas amizades.

De modo geral, parece que não podemos deixar de fazer escolhas. A não escolha já é uma escolha. Nossas escolhas pessoais, profissionais e sociais estão diretamente relacionadas ao nosso grau de amadurecimento emocional e às nossas competências racionais.

No momento de escolher é preciso manter o equilíbrio entre emoção e razão, o que denominamos de “eu reativo”. Bowen (1976) relata que, diante de uma tomada de decisão, quando nos vemos frente aos problemas inerentes à condição humana, é preciso evitar que a emoção atrapalhe a razão e vice-versa.

Em outras palavras, é possível que as escolhas que uma pessoa faça ao longo de sua existência estejam fundamentadas a partir das suas histórias e experiências apreendidas ao longo das várias fases do seu ciclo vital.

Na prática do dia a dia, o que conseguimos observar nas atitudes e nos comportamentos das pessoas dizem muito sobre as escolhas elas que fazem. Por exemplo, quem sofreu uma decepção amorosa pode superar essa rejeição e seguir em frente ou bancar a vítima por um bom tempo.

Outro exemplo: alguém que perdeu a pessoa amada pode se fechar e se isolar afetivamente, criando uma armadura blindada na sua vida afetiva.

12_FIG_01Não temos muitas saídas. Viver é escolher, escolher é viver. Nossas escolhas carregam consigo as marcas dos vários episódios que vivemos consciente ou inconscientemente.

Não encarar essa realidade é se tornar um ser inautêntico.

Segundo Sartre “ser é escolher-se”.

Quando usamos de má-fé para atribuir as consequências das nossas escolhas a outrem estamos nos tornando seres irresponsáveis pelo projeto de vida que nós mesmos criamos.

Na letra da música do Chico Buarque, Sob Medida, existe uma parte que diz:

12_FIG_02

Esta estrofe reproduz o conceito de que nós somos do tamanho de nossas escolhas. Se hoje temos esse parceiro ou parceira ao nosso lado, é porque foi o melhor que pudemos escolher. Então, nos ajeitemos com ele ou ela.

Cresçamos, evoluamos juntos, porque o futuro sempre pertencerá ao Criador do universo. Escolha com amor e carinho essas pessoas que vão conviver com você. É o melhor, é o possível para este momento. Chore, se angustie, mas escolha. Não escolher é semelhante a não viver.

Boas escolhas para você!

Você é do tamanho das suas escolhas
YouTube
Siga-nos por Email